News

HAND TO HAND

A circus exploration across Europe consisting of experimentations, learning spaces, meetings with different sectors of activity – and their traditional gestures and know-how – to collectively question the notion of social ecology


Europe is faced with the need to initiate deep ecological and environmental changes. These mutations request from us to think about our carbon footprint and more deeply to rethink our ways of living, our choices of development. They force us to (re)connect ourselves in a different and urgent way to spaces which we inhabit and to people who live there. As a body of ideas, social ecology, used as a synonym for human ecology, envisions for instance, a world that reharmonizes human communities with the natural world, while celebrating diversity, creativity and freedom. For such an ecological transformation, we need collectively, to create the operative conditions for a possible social and sustainable transformation.

Facing these ecological issues, the contemporary circus sector, as well as the cultural sector in general, must evolve its practices. It raises the question whether to concretely translate the implementation of more sustainable and ethical means into collaboration and how to contribute to a change in behaviour. This approach thus implies the development of a new set of capacities to train artists in new artistic, scientific and collaborative approaches, when initial circus training often prioritises technical skills. The hypothesis chosen for Hand to Hand, is to create new cooperation and new modes of understanding through a social ecology where art – more specifically contemporary circus – in public space can contribute to the transition of our sector, transforming its artistic and methodological practices.

The project brings together 4 European partners, cultural circus and performing art operators : Le Palc, a national circus centre in France, ROOM 100 in Croatia, Bússola in Portugal and Helsingør Theatre in Denmark. It will start in March 2023 and will last two and a half years.

Hand to Hand aims to explore the issue of sustainability through learning and experiential spaces of innovation and research for circus artists, especially emerging artists in their artistic practice in public space, in order to develop new capacities of initiating such a transition, transforming artistic and methodological practices in public space for sustainability.

Through a journey of four exploration times and immersion residencies, Hand to Hand offers experimentation spaces through a cross-sectoral collaboration, including cultural and creative industries, researchers in ecology and art, as well as private firms : Joseph Perrier, champagne house; Papeterie Arches SAS, paper mill of art in France; Solana, salt marshes in Croatia ; a maritime workshop for the renovation of wooden boats and a professional fisherman in Denmark ; Codfish Harbor of Aveiro, distant water fishing in Portugal.

This process will be extended by four collective testing and sharing artistic prototypes created during immersion residencies with an experimental approach and for a large audience in the frame of public space festivals of the 4 partners. By involving mentors, researchers and professionals, the conducted experimentations will be disseminated with good practices tools, notably through publications and a web-doc.

More info can be found at the Hand to hand project by March 2023.

PARTNERS
Le Palc, Pôle national cirque Châlons en Champagne (FR)
Bússola (PT)
Helsingør Theatre (DK)
ROOM 100 (HR)

ASSOCIATED PARTNERS
ARTCENA (FR)
CNAC – Centre national des arts du cirque (FR)
Institut Français (FR)
23 Milhas/Município de Ílhavo (PT)
Furies (FR)

HAND TO HAND is a project co-funded by the European Union.

Um projeto exploratório para o circo europeu, que visa criar experimentação, espaços de aprendizagem e cruzamento entre diferentes setores de atividade – e os seus gestos e saberes tradicionais – para questionar e explorar o contexto da ecologia social.

A Europa enfrenta profundos desafios ecológicos e ambientais. Estas mutações obrigam-nos a pensar a nossa pegada de carbono e, de forma mais consistente, reponderar o nosso estilo de vida e as nossas escolhas para o desenvolvimento. Obrigam-nos a (re)conectar-nos de uma forma diferente e urgente aos espaços que habitamos e às pessoas que lá vivem. Enquanto corpo ideológico, a ecologia social, compreendida como sinónimo de ecologia humana, prevê, entre outros princípios, um mundo que rearmoniza as comunidades humanas com o mundo natural, ao mesmo tempo que celebra a diversidade, a criatividade e a liberdade. Para tal transformação ecológica, precisamos de, coletivamente, criar as condições operativas para uma real transformação social e sustentável.

Perante estas questões ecológicas, o setor do circo contemporâneo, assim como a cultura em geral, continua a evoluir nas suas práticas. Desafia-se a implementar metodologias mais sustentáveis e éticas de colaboração, que possam contribuir para uma mudança de comportamento. Esta abordagem, implica o desenvolvimento de um renovado conjunto de capacidades, visando desenvolver novas abordagens criativas, científicas e colaborativas, ao contrário da formação académica e profissional em circo que, habitualmente, privilegia as competências técnicas. A hipótese que o HAND TO HAND pretende testar, é a criação de novas cooperações e novos modelos de entendimento através de uma ecologia social onde a arte – mais especificamente o circo contemporâneo – no espaço público possa contribuir para a transição do setor, contribuindo para a transformação metodológica de práticas atuais.

O projeto une quatro parceiros europeus, operadores culturais no domínio do circo e das artes performativas: Le Palc, um centro nacional de circo em França, ROOM 100 na Croácia, Bússola em Portugal e Helsingør Theatre na Dinamarca. O programa terá início em março de 2023, com uma duração de dois anos e meio.

HAND TO HAND visa explorar a questão da sustentabilidade, através de espaços de aprendizagem e contextos experienciais de inovação e pesquisa para artistas de circo, nomeadamente artistas emergentes na sua prática criativa no espaço público, privilegiando o desenvolvimento de novas competências para iniciar a ambiciosa transição de metodologias e práticas artísticas no espaço público, visando a sustentabilidade.

Através de uma jornada sequencial de quatro ações exploratórias, seguidas de quatro residências imersivas, HAND TO HAND oferece espaço de experimentação como fruto de uma colaboração intersetorial, incluindo indústrias culturais e criativas, investigadores em ecologia e arte, bem como empresas privadas: Joseph Perrier (empresa de champanhe, França); Fila Arches (empresa de papel, França), Solana (empresa de salinas, Croácia), uma oficina de renovação de barcos de madeira e um pescador profissional (Dinamarca) e o contexto económico e social residente do Cais dos Bacalhoeiros (Ílhavo, Portugal).

O processo completa-se através de quatro momentos de encontro com o grande público, para a partilha de protótipos artísticos desenvolvidos durante as residências imersivas, proporcionando uma abordagem artística experimental integrada em quatro relevantes festivais europeus: Furies (França), LEME (Portugal), Passage (Dinamarca) e Peculiar Families (Croácia). Com o envolvimento de mentores, investigadores e outros profissionais, as ações de experimentação e boas-práticas serão disseminadas através de publicações regulares e um web-doc que irá acompanhar a evolução do projeto.

Mais informações sobre o projeto serão disponibilizadas durante o mês de março de 2023.

PARCEIROS
Le Palc, Pôle national cirque Châlons en Champagne (FR)
Bússola (PT)
Helsingør Teater (DK)
ROOM 100 (HR)

PARCEIROS ASSOCIADOS
ARTCENA (FR)
CNAC – Centre national des arts du cirque (FR)
Institut Français (FR)
23 Milhas/Município de Ílhavo (PT)
Furies (FR)

HAND TO HAND é um projeto cofinanciado pela União Europeia.

LEME 2022

Festival of contemporary circus and artistic creation for unconventional spaces

No two bodies are the same.

All bodies are similar, however, in the complex power they possess: they’re threshold bodies, intermediaries between us and the world. The great beauty of a body will never be its shape, its size, its flexibility or strength, but the vigor in which its substance, our flesh, alive and volcanic, inhabits the universe, maintains contact with the Earth and all other bodies.

A body doesn’t exhaust itself in its capabilities. It is a continuous experience, a permanently new place and what we have that’s older. A body is an archive, a manifest, a stand, a fire. Its anatomy does not matter when it deflagrates.

A body is nothing less than a revolution. A place for violence and wonder, of stubbornness and commitment. A body is a possibility.

This year, LEME reflects, through its programming and parallel activities such as the DIVE program – Deep Learning Activity – on the theme “Diverse Bodies”, inviting participants to think about inclusion and accessibility, rejecting the idea that the body is the limit.

The ideal body is the body that exists. Exactly this, the one we have now, here, in this precise moment.

In its fourth edition, LEME gathers 16 contemporary circus companies, from 10 different countries, representing 70 artists of 16 nationalities. Presents 16 projects , in 31 shows, including an international premier, six nacional premiers and one preview, in addition to three workshops and two artistic residencies.

Festival de Circo Contemporâneo e Criação Artística em Espaços não Convencionais

Não há dois corpos iguais.

Todos os corpos são semelhantes, porém, no complexo poder de que gozam: são corpos portais, intermediários entre nós e o mundo. A grande beleza de um corpo não será nunca a sua forma, o seu tamanho, a sua flexibilidade ou a sua força, mas o rigor com que a sua matéria, a nossa carne, viva e vulcânica, habita o universo, se mantém em contacto com a Terra e com todos os outros corpos.

Um corpo não se esgota nas suas capacidades. É uma experiência contínua, um lugar permanentemente novo e o que temos de mais antigo. Um corpo é um arquivo, um manifesto, uma tomada de posição, um incêndio. A sua anatomia pouco importa quando deflagra.

Um corpo é nada menos que uma revolução. Um lugar de violência e maravilha, de obstinação e entrega. Um corpo é uma possibilidade.

Este ano, o LEME reflete, através da sua programação e atividades paralelas como o programa DIVE – Deep Learning Activity – sobre o tema “Corpos Diversos”, convocando os participantes a pensar a inclusão e a acessibilidade, rejeitando a ideia de que o corpo é o limite.

O corpo ideal é o corpo que existe. Exatamente este, que temos agora, aqui, neste preciso momento.

Na sua quarta edição, o LEME junta 16 companhias de circo contemporâneo, de 10 países diferentes, que representam 70 artistas de 16 nacionalidades. Apresenta 16 espetáculos, em 31 exibições, incluindo uma estreia internacional, seis estreias nacionais e uma ante-estreia, além de três oficinas e duas residências artísticas.

Creative Europe 2022

European cooperation reinforces transnational mobility and training in the field of contemporary circus, prioritizing the relationship with the community and trans-sectoral dynamics.

Bússola saw two transnational cooperation projects supported by the European Union’s Creative Europe programme. On the one hand, will lead the BETA CIRCUS – Participatory experience project and, on the other hand, it will be part of the Hand to Hand project, led by Le Palc (FR).

BETA CIRCUS – Participatory experience pursues the objectives of promoting new trends, supporting European training and mobility for contemporary circus. Bússola will coordinate this European project, which aims to increase awareness and participatory circus practices on a European scale. The range of partners crosses the European continent, involving Teatro Necessario (Italy), Ludifico (Serbia) and Rigas Cirks (Latvia). With the aim of disseminating good practices and promoting wider involvement on a European level, several associated partners will collaborate in different contexts across Europe.

Hand to Hand will be a cross-sectoral adventure that will connect circus artists with scientific research for sustainability and the productive industry, with a special relationship with the sea, reinventing the relationship between the cultural sector and civil society. The project, led by Le Palc (France), in addition to Bússola, gets the cooperation of Room 100 (Croatia) and Passage (Denmark).

In Portugal, both projects will be developed in Ílhavo, within the scope of LEME, through a solid and strategic partnership with 23 Milhas/Municipality of Ílhavo.

Both projects will start in the first quarter of 2023, actively stimulating the European contemporary circus sector in the coming years, especially in relation to public space and society.

Cooperação europeia reforça mobilidade transnacional e capacitação no domínio do circo contemporâneo, priorizando a relação com a comunidade e as dinâmicas transetorias.

A Bússola viu dois projetos de cooperação transnacional serem apoiados pelo programa Europa Criativa da União Europeia. Por um lado, irá liderar o projeto BETA CIRCUS – Participatory experience e, por outro, integra o projeto Hand to Hand, liderado pelo Le Palc (FR).

BETA CIRCUS – Participatory experience prossegue os objetivos de promover as novas tendências, apoiando a formação e mobilidade europeia para o circo contemporâneo. A Bússola irá coordenar este projeto europeu, que visa aumentar consciência e as práticas de circo participativo à escala europeia. O leque de parceiros cruza o continente europeu, envolvendo o Teatro Necessário (Itália), o Ludifico (Sérvia) e Rigas Cirks (Letónia). Com o objetivo de disseminar boas práticas e promover um envolvimento mais amplo à escala europeia, diversos parceiros associados irão colaborar em diferentes contextos por toda a europa.

Hand to Hand será uma aventura transetorial que conectará artistas de circo com a investigação científica para a sustentabilidade e a indústria produtiva, com especial relação com o mar, reinventando a relação entre o setor cultural e a sociedade civil. O projeto, liderado pelo Le Palc (França), além da Bússola, conta com a cooperação do Room 100 (Croácia) e Passage (Dinamarca).

Em Portugal, ambos os projetos irão desenvolver-se em Ílhavo, no âmbito do LEME, através de uma parceria sólida e estratégica com o 23 Milhas/Município de Ílhavo.

Ambos os projetos terão início no primeiro trimestre de 2023, dinamizando ativamente o setor do circo contemporâneo europeu nos próximos anos, em especial na relação com o espaço público e com a sociedade.

Navegar 2022

LEME explores new languages ​​in the fields of contemporary circus and artistic creation in unconventional spaces, in a search for new creative approaches, in confrontation with the experimentation. An active transfiguration of the traditional vision of the cultural spaces of our times, opening doors to new artistic perspectives, with a focus on the multidisciplinarity and difference. LEME seeks to contribute to the continued development of contemporary circus in Portugal, based on the desire to create a new space for contact between Portuguese creators and the international trends, which responds to the desires of a sector in speedy evolution. Representing a space of opportunities for the emergence of contemporary Portuguese artistic creation in this field, LEME also promotes confrontation with international trends and enables the creation of references in the territory, encouraging the development of new audiences.

Focusing a vast programming context connected with the challenges of diversity and inclusion, the 2022 edition of LEME will take place from November 30th to December 4th and will include international performances in Portuguese premiere; presentation of works within the scope of the artistic creation support program; specialized training aimed at students, professionals and curious; professional program and actions to promote artistic thinking through CIRCUS FORUM and the DIVE program (in-depth training) of Circostrada Network; in addition to mediation and specific actions with the local community.

LEME also promotes a section especially aimed at students/creators of Portuguese circus schools: the Navegar section seeks to give space and offer prominence to future professionals, through the programming of short shows created and performed by emerging students/creators in the field of circus in Portugal. LEME 2022 will include 4 projects selected from the proposals submitted to the open call for the Navigate section, with public presentation in unconventional spaces in the municipality of Ílhavo and full video recording for later dissemination through the RTP Palco platform.

Applications are open until 19th June 2022.

LEME is promoted in partnership with 23 Milhas (Municipality of Ílhavo) and supported by the República Portuguesa Cultura, through the Direção-Geral das Artes, Institut Français and Acción Cultural Española.

O LEME explora novas linguagens nos domínios do circo contemporâneo e da criação artística em espaços não convencionais, numa busca por novas abordagens criativas, em confronto com a experimentação. Uma transfiguração ativa da visão tradicional dos espaços culturais nos nossos tempos, abrindo portas a novas perspetivas artísticas, com foco na multidisciplinaridade e na diferença. O LEME procura, assim, contribuir para o desenvolvimento continuado do circo contemporâneo em Portugal, a partir da vontade de criar um novo espaço de contacto entre os criadores portugueses e a massa crítica internacional, que responda aos anseios de um setor em plena evolução. Representando um espaço de oportunidade para a emergência na criação artística contemporânea portuguesa neste domínio, promove ainda o confronto com as tendências internacionais e possibilita a criação de referências no território, potenciando o desenvolvimento de novos públicos.

Apostando num contexto vasto de programação conectado com a diversidade e a inclusão, a edição 2022 do LEME decorrerá de 30 de novembro a 4 de dezembro e incluirá espetáculos internacionais em estreia nacional; apresentação de obras no âmbito do programa de apoio à criação artística; formação especializada dirigida a estudantes, profissionais e outros interessados; programa profissional e ações de promoção do pensamento através do CIRCUS FORUM e do programa DIVE (in-depth training) da Circostrada Network; além de mediação e ações específicas com a comunidade local.

O LEME promove, ainda, uma secção especialmente dirigida aos estudantes/criadores das escolas de circo portuguesas: a secção Navegar procura ceder espaço e oferecer protagonismo aos futuros profissionais, através da programação de peças curtas criadas e interpretadas por estudantes/criadores emergentes no domínio do circo em Portugal. O LEME 2022 integrará na programação 4 projetos selecionados a partir das propostas submetidas à convocatória para a secção Navegar, com apresentação pública em espaços não convencionais no concelho de Ílhavo e registo vídeo integral para posterior difusão através da plataforma RTP Palco.

Candidaturas abertas até 19 de junho de 2022.

O LEME é promovido em parceria com o 23 Milhas (Município de Ílhavo), sendo apoiado pela República Portuguesa – Cultura, através da Direção-Geral das Artes, Institut Français e Acción Cultural Española.

LEME 2021

Festival of contemporary circus and artistic creation for unconventional spaces

After a year of being on a hiatus, although it is one of the techniques that most impresses us in contemporary circus, it limits us when we talk about time and expectations, LEME returns for a different edition, longer in duration because it is spaced out over more days and more places.

What lies after the emptiness? The compensation, the consequence, the instability, having our heart in our mouth, the monsters under and above all the beds, and the beds are sometimes no more than our chests still loaded with bullets fired by us. But what is the chest, if not also the bed where we land from the fall? And we climbed. We return to the rope, the climb, the structure, the jump, the other.

The bullets are still in our chest, but the idea is that dedramatising and rebuilding are perhaps the easiest way to balance under, over, with and in each other. And then, there are the constant acrobatics of contemplating change, movement, transfiguration: as Rui Paixão did, who began by conceiving “Irredutível” (“Relentless”) in 2020, which gave birth to “Albano” in 2021, which is precisely about being caught off guard. Not knowing what to expect. But if we talk about the shows in this edition, talk about how we got there, navigating up to this point, it is important not to forget what “Un contre un” means to us: we cannot look back.

It’s ten days moving forward, in their entirety and set in motion. 

With France as the guest country, and with emphasis on hand to hand acrobatics and Chinese mast techniques in the programming of this edition, we have maintained much of what matters: support for artistic creation and new creators. Through the “Navegar” (“Navigating”) category, training, dialogue and diversity continue to be invested in, both in the programming it presents and in the audiences it invites and welcomes.

There are new spaces. LEME goes to different, unexpected stages, where it tests the limits of the circus and the region, such as the Cais Bacalhoeiro in Gafanha da Nazaré. The challenge to reflect and critically think about contemporary circus remains through the Circus Forum, which promotes a meeting between professionals in the field, and the Beta Circus, a European cooperation project which selects artists who will be integrated in an international training programme on new trends for contemporary creation, with a focus on “new magic”, the latter of which is also one of the new features of this year’s edition of LEME.

Festival de Circo Contemporâneo e Criação Artística em Espaços não Convencionais

Depois de um ano de suspensão, que se é uma das técnicas que mais nos impressiona no circo contemporâneo, nos limita quando falamos de tempo e expetativas, o LEME regressa para uma edição diferente, maior na sua duração porque diluída em mais dias e mais espaços.

O que fica depois do vazio? A compensação, a consequência, a instabilidade, o coração nas mãos, os monstros debaixo e por cima de todas as camas e as camas às vezes são não mais que os nossos peitos ainda carregados de balas disparadas por nós. Mas o que é o peito, se não, também a cama onde aterramos da queda? E trepamos. Regressamos à corda, à subida, à estrutura, ao salto, ao outro.

As balas ainda no peito, mas a ideia de que desdramatizar e reconstruir talvez seja a forma mais fácil de nos equilibrarmos sob, sobre, uns com e nos outros. E depois, a acrobacia constante de contemplarmos mudar, mexer, transfigurar: como fez Rui Paixão, que se começou por conceber por “Irredutível”, em 2020, fez parir “Albano”, em 2021. Sobre, precisamente, ser apanhado desprevenido. Não saber o que se espera. Mas se falamos nos espetáculos desta edição para falar sobre como chegámos, navegando, até aqui, importa não esquecer o que nos quer dizer “Un contre un”: não podemos olhar para trás.

São dez dias para a frente, inteiros e ateados à espera. 

Com França como país convidado, e com destaque para as técnicas de acrobacia de mão e mão e de mastro chinês na programação desta edição, mantemos muito do que importa: o apoio à criação artística e aos novos criadores, através da categoria Navegar, continua a aposta na formação, no diálogo e na diversidade, tanto na programação que apresenta como nos públicos que chama e acolhe. 

Há novos espaços. O LEME vai para diferentes palcos, inesperados, onde testa os limites do circo e do território como, por exemplo, o Cais Bacalhoeiro da Gafanha da Nazaré. Mantém-se o desafio à reflexão e ao pensamento crítico sobre circo contemporâneo, através do Circus Fórum, que promove um encontro entre profissionais da área, e do Beta Circus, um projeto de cooperação europeu que seleciona artistas que serão integrados num programa internacional de capacitação em novas tendências para a criação contemporânea, com foco na “nova magia”, esta última que é também uma das novidades da edição deste ano do LEME.

Handbook now available

Handbook of good practices for organizing artistic events in public spaces is now available

Outdoor Arts Portugal ends the year 2021 with the launch of an edition that focuses on international good practices for the organization of artistic events in public spaces, putting them in line with legal information, licensing, risk assessment, security plans, or production plans adapted to the Portuguese reality, being an active support for the capacity building of artistic agents and promoters in this creative domain.

The editorial project focuses on a component of historical research and good practices, exposed in counterpoint to the national legal and regulatory context, throughout a collaborative and transdisciplinary strategy, involving guests with different profiles and experiences in the context of artistic creation in the public space.

The “handbook of good practices for the organization of artistic events in public spaces” is a project financed by the Portuguese Ministry of Culture, through the Direção-Geral das Artes, and has a content team composed of:
– Editorial coordination: Bruno Costa and Daniel Vilar;
– Introduction and positioning: Stéphane Segreto-Aguilar (Circostrada Network coordination);
– Historical context and state of the art: António Franco de Oliveira (director of Radar 360);
– Public space, community and connections: Luís Sousa Ferreira (director of 23 Milhas and founder of Bons Sons);
– Legal and regulatory context: Alexandra Saraiva Fonseca;
– Challenges and future perspectives: Jordi Duran Roldós (University of Girona);
– Preface: coordinated by Madalena Victorino and Matilde Real;
– Afterword: Álvaro Domingues.

The printed edition will be distributed by professional agents in the outdoor arts sector and sent to all national municipalities, local and specialty public libraries, promoting an action to raise awareness of the specific and distinctive characteristics of this artistic domain.

The digital version is available for free in the website www.outdoorarts.pt.

Manual de boas práticas para a organização de eventos artísticos no espaço público já disponível

Outdoor Arts Portugal termina o ano 2021 com o lançamento de uma edição que foca boas práticas internacionais para a organização de eventos artísticos no espaço público, colocando-as em linha de comparação com a informação legal, de licenciamento, de avaliação de risco, de planos de segurança, ou de planos de produção adaptados à realidade portuguesa, constituindo um suporte ativo para a capacitação dos agentes artísticos e promotores neste domínio criativo.

O projeto editorial foca uma componente de investigação histórica e de boas práticas, exposta em contraponto com o contexto legal e regulamentar nacional, através de estratégias colaborativas e transdisciplinares, envolvendo convidados com diferentes perfis e experiências no contexto da criação artística para o espaço público.

O “manual de boas práticas para a organização de eventos artísticos no espaço público” é um projeto financiado pelo Ministério da Cultura, através da Direção-Geral das Artes, e conta com uma equipa de conteúdos composta por:
– Coordenação editorial: Bruno Costa e Daniel Vilar;
– Introdução e posicionamento: Stéphane Segreto-Aguilar (coordenador da Circostrada Network);
– Contexto histórico e estado da arte: António Franco de Oliveira (diretor da Radar 360);
– Espaço público, comunidade e interligações: Luís Sousa Ferreira (diretor do 23 Milhas e fundador do Bons Sons);
– Contexto legal e regulamentar: Alexandra Saraiva Fonseca;
– Desafios e perspetivas futuras: Jordi Duran Roldós (Universidade de Girona);
– Prefácio: coordenado por Madalena Victorino e Matilde Real;
– Posfácio: Álvaro Domingues.

A edição impressa será distribuída pelos agentes profissionais do setor das artes de rua e remetida a todos os municípios nacionais, bibliotecas públicas municipais e de especialidade, promovendo uma ação de sensibilização para as características específicas e distintivas deste domínio artístico.

A versão digital está disponível de forma gratuita através do website www.outdoorarts.pt.

Outdoor Arts Portugal as inspiring practice

Outdoor Arts Portugal as inspiring practice

Creative FLIP Research “Innovative Policy Instruments – Complementing Covid-19 Relaunch Practices” has highlighted Outdoor Arts Portugal as an inspiring practice for the relaunch of the creative sector.

The disruptive power of the 2020-21 pandemic requires bold innovation support initiatives to fully relaunch the cultural and creative sectors. In this Creative FLIP report, we look into good practice innovation support programmes to support relaunch. What are key features of good innovation support programmes? Which policy practices can we already observe across Europe? What can we learn from them for future policy making?

The researchers had selected public and private projects that respond to key features on the current challenges, including implementation frameworks; innovation enablers; innovation topics; and research and training. Outdoor Arts Portugal platform activities are touching all these key features, creating networking opportunities; supporting creative innovation expected from the CCS; pushing the territorial dimension; promoting new (crisis-proof) (event) formats; stimulating the use of public spaces; supporting accompanying research and “technical” training.

Outdoor Arts Portugal is supported by República Portuguesa – Cultura | Direção-Geral das Artes and Fundação GDA.

Outdoor Arts Portugal enquanto prática inspiradora

A Creative FLIP Research “Innovative Policy Instruments – Complementing Covid-19 Relaunch Practices” destacou a Outdoor Arts Portugal como uma prática inspiradora para o relançamento do setor criativo.

O poder disruptivo da pandemia 2020-21 requer iniciativas de apoio à inovação ousadas para relançar totalmente os setores culturais e criativos. Neste relatório Creative FLIP, foram examinados os programas de apoio à inovação e boas práticas para apoiar o relançamento. Quais são os principais recursos de bons programas de apoio à inovação? Que práticas políticas já podemos observar em toda a Europa? O que podemos aprender com eles para a formulação de políticas futuras?

Os investigadores selecionaram projetos públicos e privados que respondem às principais características dos desafios atuais, incluindo estruturas de implementação; facilitadores de inovação; tópicos de inovação; assim como pesquisa e capacitação. As atividades da plataforma Outdoor Arts Portugal atingem todas características-chave avaliadas, criando oportunidades de networking; apoiando a inovação criativa esperada do setor cultural e criativo; tocando a dimensão territorial; promovendo novos formatos (à prova de crise); estimulando o uso de espaços públicos; e apoiando à investigação e a formação “técnica”.

Outdoor Arts Portugal é apoiado por República Portuguesa – Cultura | Direção-Geral das Artes e Fundação GDA.

Navegar 2021

O LEME explora novas linguagens nos domínios do circo contemporâneo e da apresentação artística em espaços não convencionais, numa busca por novas abordagens criativas, em confronto com a experimentação. Uma transfiguração ativa da visão tradicional dos espaços culturais nos nossos tempos, abrindo portas a novas perspetivas artísticas, com foco na multidisciplinaridade e na diferença. Procura, assim, contribuir para o desenvolvimento continuado do circo contemporâneo em Portugal, a partir da vontade de criar um novo espaço de contacto entre os criadores portugueses e a massa crítica internacional, que responda aos anseios de um setor em plena evolução. Representando um espaço de oportunidade para a emergência na criação artística contemporânea portuguesa neste domínio, promove ainda o confronto com as tendências internacionais e possibilita a criação de referências no território, potenciando o desenvolvimento de novos públicos.

LEME explores new languages in the fields of contemporary circus and artistic presentation in unconventional spaces, in a search for new creative approaches, in confrontation with experimentation. An active transfiguration of the traditional view of cultural spaces in our times, opening doors to new artistic perspectives, with a focus on multidisciplinarity and difference. Thus, it seeks to contribute to the continued development of contemporary circus in Portugal, based on the desire to create a new space of contact between Portuguese creators and the international critical mass, which responds to the desires of a sector in full evolution. Representing a space of opportunity for the emergence of contemporary Portuguese artistic creation in this field, it also promotes confrontation with international trends and enables the creation of references in the territory, enhancing the development of new audiences.

Apostando num contexto vasto de programação, a edição 2021 do LEME incluirá espetáculos internacionais em estreia nacional; apresentação de obras no âmbito do apoio à criação artística; formação especializada dirigida a estudantes, profissionais e interessados; programa profissional e ações de promoção do pensamento através do CIRCUS FORUM e do acolhimento de atividades do projeto de cooperação europeia BETA CIRCUS; além de mediação e ações com a comunidade local. O LEME promove, ainda, uma secção especialmente dirigida aos estudantes/criadores das escolas de circo portuguesas.

Supported on a vast programming context, the 2021 edition of LEME will include international shows in national premiere; presentation of works based on the support for artistic creation; specialized training for students, professionals and sectorial stakeholders; professional programme and actions to promote thinking through CIRCUS FORUM and hosting activities of the European cooperation project BETA CIRCUS; in addition to mediation actions with the local community. LEME also promotes a section specially addressed to students / creators of Portuguese circus schools.

A secção NAVEGAR procura ceder espaço e oferecer protagonismo aos futuros profissionais, através da programação de peças curtas criadas e interpretadas por estudantes/criadores emergentes no domínio do circo em Portugal. O LEME 2021 integrará na programação 5 projetos selecionados a partir das propostas submetidas a esta convocatória, com apresentações em espaços não convencionais no concelho de Ílhavo e registo vídeo integral para posterior difusão através da plataforma RTP Palco.

The NAVEGAR section seeks to give space and offer prominence to future professionals, through the programming of short pieces created and interpreted by Portuguese students or emerging creators from the circus domain. LEME 2021 will integrate 5 projects selected from the proposals submitted to this open call, with presentations in unconventional spaces in the municipality of Ílhavo and full video recording for later dissemination through the RTP Palco platform.

A secção Navegar conta com o apoio do Compete 2020, do Portugal 2020 e da União Europeia, através do Fundo Europeu para o Desenvolvimento Regional.

The Navegar section has the support of Compete 2020, Portugal 2020 and the European Union, through the European Fund for Regional Development.

Open Call for BETA CIRCUS

BETA CIRCUS presents an innovative project focusing new trends for circus arts

BETA CIRCUS aims to address new trends in contemporary circus and to offset the lack of opportunities for artists to get trained at a high professional level. Also propose moments for the audience to experience those new languages and concepts with live performances, especially in the partner countries. Is a cooperation project that expects to develop a new European vision dedicated to the capacity building process for emerging contemporary circus artists looking for innovative works, trends and languages in Europe, with special focus on countries with a lack of high level circus education and reduced recognition of the circus domain in the field of contemporary arts. 

BETA CIRCUS training is open to participants with a broad band background in the artistic fields [magic, illusionism, circus, dance, theatre, visual arts, scenography, and others]. No age limit is defined; however, the participants may demonstrate a strong motivation to develop something new or innovative in their artistic careers. Applications will be accepted from all the European Union countries, as well other countries currently eligible for Creative Europe Programme. 12 participants will be selected for an international capacity building programme in new trends for circus arts, with focus on new magic, to be promoted in between May 2021 and March 2022 with training weeks in Serbia, Italy, Portugal and Latvia.

International open call available until 15 December 2020.

BETA CIRCUS expects to select a distinguished group with 12 differentiated profiles responding to the criteria of emerging in the field of arts, including turning points and motivations to change careers in the definition of “emerging”. The participants will be selected based on their education and professional background, balanced with the motivations to integrate the project and learn new skills. The selection will focus on diversity of backgrounds and the motivations of the applicants, looking also for the specificities of an international project based on mobility, where the ability to work in big international teams should be a mandatory requirement. Age range, gender balance and European geography diversity will be also taken in consideration in the last phase of the selection methodology.

Selected participants will attend without costs the full capacity building programme of BETA CIRCUS, and the programme will cover the participants expenses, including travels [international flights and local transports at destination], accommodation in the hosting cities and meals [breakfast, lunch and dinner] during the project dates. In addition, participants will benefit from an international visibility and network provided by the project partners and communication, creating opportunities for their careers.

BETA CIRCUS opens up an international programme to support the training of emerging professionals, based on transnational mobility for learning, and give them the opportunity to take a step forward, internationalizing their careers and introducing them to new aesthetics and techniques. For 2 years, the project highlights a specific new trend in contemporary circus aesthetics: illusionism and new magic, among the most currently interesting tendencies. Moreover, audiences, programmers and institutions will discover new trends in circus, illusionism and magic. With the sum of the activities, BETA CIRCUS aims to promote an international supporting circuit for the dissemination of this new tendencies in contemporary circus languages, promoting new artistic and research projects throughout a capacity building process, pushing up the activities of a transnational cooperation, based on the mobility of artists, professionals and partners teams, to discover different realities, artists and audiences.

More information, full conditions and application form are available through BETA CIRCUS website [https://betacircus.eu/open-call/]. Applications are accepted until 15th December 2020.

BETA CIRCUS is co-funded by the Creative Europe Programme of the European Union, being promoted by Bússola (PT), Teatro Necessario (IT), Ludifico (RS) and Rigas Cirks (LV).

BETA CIRCUS inicia projeto inovador com foco nas tendências emergentes

O BETA CIRCUS tem como objetivo abordar as novas tendências do circo contemporâneo e compensar a falta de oportunidades para os artistas obterem formação profissional de nível superior. Proporciona também momentos para que o público experiencie essas novas linguagens e conceitos, com apresentações ao vivo, em eventos especiais nos países parceiros. É um projeto de cooperação europeia que pretende desenvolver uma nova visão internacional dedicada ao processo de capacitação de artistas emergentes contemporâneos que procuram obras, tendências e linguagens inovadoras no universo do circo, com especial enfoque em países periféricos, que consequentemente recebem a inovação mais tardiamente, e com reduzido reconhecimento deste domínio no contexto das artes performativas contemporâneas.

O plano de capacitação BETA CIRCUS está aberto a participantes com historial formativo diversificado em domínios artísticos [magia, ilusionismo, circo, dança, teatro, artes visuais, cenografia, entre outros]. Nenhum limite de idade foi estabelecido para a seleção; no entanto, os participantes devem demonstrar uma forte motivação para desenvolver algo novo ou inovador nas suas carreiras artísticas. Serão consideradas inscrições de todos os países da União Europeia, bem como de outros países atualmente elegíveis para o Programa Europa Criativa. Um grupo de 12 participantes irá integrar um programa internacional de capacitação em novas tendências para a criação contemporânea no domínio do circo, com foco na “nova magia”, a ser promovido entre maio de 2021 e março de 2022 através semanas de treino de programa específico na Sérvia, Itália, Portugal e Letónia.

Convocatória internacional aberta até 15 de dezembro de 2020.

O BETA CIRCUS ambiciona selecionar um grupo diferenciado com 12 perfis distintos, respondendo aos critérios de emergência no campo das artes performativas, incluindo momentos de inflexão criativa e motivações para mudança do perfil de carreira na definição de “artista emergente”. Os participantes serão selecionados com base na sua formação e experiência profissional anterior, balanceadas com as motivações para integrar o projeto e participar num processo alargado de capacitação. A seleção incidirá na diversidade e nas motivações dos candidatos, assim como nas especificidades de um projeto internacional baseado na mobilidade, onde a capacidade de trabalhar em equipas internacionais alargadas deve ser um requisito obrigatório. A faixa etária, o balanço de género e a diversidade geográfica europeia serão também tidos em consideração na última fase da metodologia de seleção.

Os participantes selecionados integrarão, sem custos, na totalidade do programa de capacitação do BETA CIRCUS. O projeto cobre as despesas dos participantes, incluindo viagens [voos internacionais e transportes locais no destino], alojamento nas cidades anfitriãs e refeições [pequeno-almoço, almoço e jantar] nas datas do projeto. Além disso, os participantes irão beneficiar de uma visibilidade acrescida e uma rede internacional proporcionada pelos parceiros do projeto, assim como comunicação do seu perfil criativo, criando oportunidades para as suas carreiras.

Em suma, o BETA CIRCUS inicia um programa internacional de apoio à formação de profissionais emergentes, assente na mobilidade transnacional para a aprendizagem, oferecendo aos participantes a oportunidade de dar um passo em frente, internacionalizando as suas carreiras e apresentando-lhes novas estéticas e técnicas. Durante 2 anos, o projeto destaca uma nova tendência específica na estética circense contemporânea: o ilusionismo e a “nova magia”, de entre as tendências mais interessantes da atualidade. Além disso, público, programadores e instituições descobrirão estas novas tendências no circo, ilusionismo e magia. Com o somatório das atividades, o BETA CIRCUS pretende promover um circuito internacional de apoio à divulgação das novas tendências nas linguagens circenses contemporâneas, promovendo novos projetos artísticos e de investigação ao longo de um processo de capacitação, potenciando as atividades de uma cooperação transnacional, com base na mobilidade de artistas, profissionais e equipas dos parceiros, para percecionar diferentes realidades artísticas e públicos.

Mais informações, condições de participação detalhadas e formulário de inscrição estão disponíveis no website BETA CIRCUS [https://betacircus.eu/open-call/]. As candidaturas estão abertas até 15 de dezembro de 2020.

BETA CIRCUS é cofinanciado pelo Programa Europa Criativa da União Europeia, sendo promovido pela Bússola (PT), Teatro Necessario (IT), Ludifico (RS) e Rigas Cirks (LV).

Creative Europe 2020

European cooperation reinforces transnational mobility and training in the fields of street arts and contemporary circus.

Bússola has two cooperation projects in which it is involved to be supported by the European Union’s Creative Europe program. On the one hand, Bússola will lead the project BETA CIRCUS – Boosting European Trends and Artists in Circus Arts and, on the other, will be the link to Portugal, as an associate partner, of the (UN)COMMON SPACES project, led by Lieux Publics (FR).

BETA CIRCUS will promote new trends, supporting European training and mobility for the contemporary circus. Bússola will coordinate this European project, only possible with the support of 23 Milhas (Ílhavo), through LEME. The range of partners crosses the European continent, involving Teatro Necessario (Italy), Ludifico (Serbia) and Rigas Cirks (Latvia). In order to disseminate good practices and promote broader European-wide involvement, several associated partners will collaborate in different contexts across Europe.

(UN)COMMON SPACES aims to support the growth of the street arts sector on a European scale, with the aim of reinventing the relationship between the cultural sector and civil society. The project will bring together a circle of artists and a circle of citizens, in a collaborative model for sharing experiences, knowledge, artistic vision and plurality of perspectives. Resulting from the experience of In Situ – European Platform for Artistic Creation in Public Space, the project involves 19 partners and 12 associate partners, representing 21 countries.

Both projects will start in the last quarter of 2020, actively stimulating the European street arts and contemporary circus sector in the coming years.

Cooperação europeia reforça mobilidade transnacional e capacitação nos domínios das artes de rua e circo contemporâneo.

A Bússola viu dois projetos de cooperação em que está envolvida serem apoiados pelo programa Europa Criativa da União Europeia. Por um lado, irá liderar o projeto BETA CIRCUS – Boosting European Trends and Artists in Circus Arts e, por outro, será a ligação a Portugal, enquanto parceiro associado, do projeto (UN)COMMON SPACES, liderado pelo Lieux Publics (FR).

BETA CIRCUS irá promover as novas tendências, apoiando a formação e mobilidade europeia para o circo contemporâneo. A Bússola irá coordenar este projeto europeu, apenas possível com o apoio do 23 Milhas (Ílhavo), através do LEME. O leque de parceiros cruza o continente europeu, envolvendo o Teatro Necessário (Itália), o Ludifico (Sérvia) e Rigas Cirks (Letónia). Com o objetivo de disseminar boas práticas e promover um envolvimento mais amplo à escala europeia, diversos parceiros associados irão colaborar em diferentes contextos por toda a europa.

(UN)COMMON SPACES visa apoiar o crescimento do setor das artes de rua à escala europeia, com o objetivo de reinventar a relação entre o setor cultural e a sociedade civil. O projeto reunirá um círculo de artistas e um círculo de cidadãos, num modelo colaborativo para a partilha de experiências, conhecimentos, visão artística e pluralidade de perspetivas. Resultante da experiência da In Situ – European Platform for Artistic Creation in Public Space, o projeto envolve 19 parceiros e 12 parceiros associados, em representação de 21 países.

Ambos os projetos terão início no último quadrimestre de 2020, dinamizando ativamente o setor das artes de rua e circo contemporâneo europeu nos próximos anos.